Champanhe: o autêntico vinho francês

Champanhe Mandois: equilíbrio perfeito e qualidade extraordinária.

Champagne é o grande charme dos franceses. A beleza de seus vinhedos cultivados como jardins não se assemelha a nenhum outro no mundo. A região, que está a uma hora de Paris, possui incríveis caves esculpidas em solos calcários, verdadeiro patrimônio histórico da região, demarcada oficialmente em 1927.

Os primeiros vinhedos de Champagne aparecem durante os séculos IV ou V d.C, quando a região estava sob o domínio dos romanos. Assim como em outras partes da Europa, foi esse povo que iniciou a viticultura formal.

Desde a origem, os champanhes foram associados à realeza, à celebração e ao status social. Em poucos anos, os vinhos de Champagne eram a moda na Inglaterra e posteriormente ganharam o apreço dos franceses e do resto do mundo.

Só podem ser chamados Champanhe os vinhos elaborados na região homônima da França. No resto do mundo, espumante. A legislação de vinhos francesa é uma das mais rigorosas do mundo e o nome Champanhe é protegido por lei. Apenas três uvas são autorizadas (Chardonnay, Pinot Noir e Pinot Meunier) e a segunda fermentação deve ocorrer na garrafa em que será comercializado – o que chamamos de método champenoise (ou tradicional).

A Grande Adega traz ao Brasil os impecáveis champanhes Mandois: Champagne Mandois Blanc de Blancs Premier Cru e Champagne Mandois Brut Origine.

Região privilegiada

A região de Champagne é caracterizada pelo clima frio e úmido e dificilmente outra cultura iria tão bem ali como as uvas. Historicamente, durante muitos anos Champagne tentou se igualar aos tintos de Borgonha, mas com o tempo os produtores viram que não conseguiriam competir e se renderam ao espumante.

Região vinícola mais ao norte da França, e uma das mais ao norte do mundo, possui algumas características que a fazem o seu terroir diferente de todas as outras regiões vinícolas. O clima é continental fresco, com frio extremo no inverno, geadas na primavera, tempo chuvoso e nublado. As uvas amadurecem muito lentamente nessas condições, o que proporciona elevado nível de acidez, baixo teor de açúcar e baixo caráter varietal. Perfeito para a produção de espumantes.

Por quê? Porque os aromas e sabores que se quer são os da segunda fermentação, do tempo que o vinho passa em contato com as leveduras (sur lie). Além disso, o vinho precisa ter alta acidez para suportar o açúcar do licor de dosagem e também o teor alcoólico será aumentado com a segunda fermentação.

A rolha do champanhe é originalmente um cilindro com base circular, de tamanho três vezes maior do que quando a garrafa é aberta. O formato de “cogumelo” só acontece depois do arrolhamento.

Estilo de champanhe em relação a quantidade de açúcar residual*:

  • Doux: + 50 gramas de açúcar por litro
  • Demi-sec: 32-50 gramas de açúcar por litro
  • Sec: 17-32 gramas de açúcar por litro
  • Extra seco: 12-17 gramas de açúcar por litro
  • Brut: menos de 12 gramas de açúcar por litro
  • Extra brut: 0-6 gramas de açúcar por litro
  • “Brut nature”, “pas dosé” ou “dosage zéro” não recebem o licor de dosagem e apresentam menos de 3 gramas de açúcar por litro. Se há residual de açúcar, nesses casos, é porque sobrou da fermentação.

*Fonte: Os dados acima indicam o nível de doçura de acordo com a União Europeia. Fonte: www.champagne.fr.

Dicas para um serviço perfeito

  • Para gelar um champanhe que estava fora da geladeira em meia hora basta colocá-lo em um balde com água gelada e pedras de gelo – não precisa nem sal, nem álcool. A temperatura de serviço indicada é em torno de 8º C.
  • Bom saber que se o gargalo estiver gelado também será um pouco mais difícil retirar a rolha. Quem deixou horas na geladeira, por exemplo, vai ter mais dificuldade para abrir do que os optaram pelo balde com água e gelo.
  • Tente não espumar demais a bebida, pois quando ela perde gás, perde qualidade. Não sacuda a garrafa.
  • A taça e o vinho estão em temperatura diferentes. Então, sirva dois dedinhos em cada taça para que o copo comece a gelar. Em seguida, complete com o líquido até a altura desejada.

Compartilhe este post!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp

Confira mais em

Degustando vinhos da Borgonha

A francesa Borgonha é a região de alguns dos mais impecáveis e cobiçados vinhos do mundo. Conheça os exemplares da Maison Moillard, recém-lançados no Brasil.

Rosalia Molina: enóloga da Altolandon

Entrevista com a enóloga e proprietária da vinícola espanhola Altolandon, que elabora vinhos orgânicos que levam também o selo europeu de produção vegana.

Vinhos da Ribera del Duero

Os vinhos Petit Vega e Díaz Bayo trazem toda a essência do terroir de uma das principais regiões vitivinícolas da Espanha, a Ribera del Duero.