Como montar uma adega em casa?

Como selecionar os vinhos para ter em casa? A gente sugere 10 rótulos para você começar a sua!

Escolher uma adega para vinhos exige um pouco mais do que considerar a questão estética. Avaliar as caraterísticas do ambiente é o ideal para achar o melhor custo e benefício.

O espaço é o primeiro fator a ser levado em consideração, afinal o local não pode ser exposto diretamente ao sol. As lâmpadas não podem gerar calor e devem proteger de raios UV para evitar riscos de oxidação dos vinhos. O mesmo princípio se aplica a adegas com portas de vidro: quanto mais escuro melhor para proteger contra a luz externa.

O próximo passo é analisar quantos vinhos você gostaria de armazenar, já que há muitas opções, de 8 a 400 garrafas, sem contar as adegas personalizadas que podem ser maiores ainda. As garrafas de espumantes e champanhes tem um formato diferente e isso deve ser levado em consideração antes da compra.

Caso você escolha uma adega sem divisórias de temperatura, o ideal é mantê-la em 14°C. A umidade interna deve ser maior que 60%, para não ressecar a rolha, e não ultrapassar os 75%, para não danificar os rótulos. O modo correto de manter as garrafas com rolha é na horizontal para que o líquido permaneça em contato com a rolha e não haja entrada de oxigênio.

Inspire-se em nossas dicas para montar a sua adega!

Todos os rótulos você encontra na Grande Adega.

3B Rosé Filipa Pato – Portugal

Espumante português rosé fundamental em uma boa adega, muito saboroso e refrescante. Sozinho, acompanhando aperitivos ou para frutos do mar é a combinação certa.

Cava Don Román Brut – Espanha

Espumante espanhol de aromas florais, frescos e de boa persistência. Vai bem sem acompanhamentos ou com aperitivos e saladas.

Santola Vinho Verde DOC – Portugal

Português da denominação Vinho Verde, é um vinho para dias quentes, praia, piscina ou parque. Dispensa acompanhamento e deve ser servido bem geladinho.

Estrellas Sauvignon Blanc – Chile

Chileno elaborado com a uva Sauvignon Blanc, é leve e fresco, ideal para acompanhar aperitivos e frutos do mar.

Numbered Edition – Espanha

Vinho rosé de edição limitada elaborado na região de Rioja, na Espanha. Ótimo para acompanhar queijos diversos, é fresco e frutado em boca.

Monsaraz DOC Alentejo tinto – Portugal

Tinto português delicioso sozinho ou para acompanhar refeições à base de carne assada. Apresenta aromas de frutas vermelhas maduras e é seco em boca.

Corbelli Sangiovese – Itália

Tinto elaborado na região da Puglia. Apresenta aromas frutados com notas de especiarias, é ideal para acompanhar massas e pizzas. Vinho coringa, para ter sempre em casa.

Nieto Senetiner Pinot Noir – Argentina

Tinto da elegante uva Pinot Noir, possui aromas de frutas vermelhas frescas, é seco e aveludado em boca. Ótimo para pratos condimentados.

Pouca Roupa Tinto – Portugal

Vinho despretensioso, para o dia. Vai bem sozinho, mas também é ótimo para escoltar pizzas, carnes suínas e peixes grelhados.

Nederburg Noble Late Harvest – África do Sul

Vinho de sobremesa (doce), elaborado na África do Sul. Aromas e sabores de mel, tangerina, abacaxi e pêssego muito bem equilibrados pela acidez. Ótimo para sobremesas à base de frutas.

Compartilhe este post!

Facebook
Twitter
Pinterest
WhatsApp

Confira mais em

Afinal, espumante também é vinho?

Mesmo entre entusiastas, existe uma confusão muito grande sobre a classificação dos espumantes, mas viemos para finalmente resolver esta questão. Confira!