Vinho: mitos e verdades

Têm dúvida sobre vinhos? Confira nossas perguntas e respostas.

Vinho é bom para saúde?

Sim! Mas, obviamente, como tudo nessa vida, há de se optar pelo caminho do meio e degustar com bom senso para que ele faça bem – geralmente a indicação médica é uma taça por dia.

Muitos estudos científicos apontam para os benefícios do vinho em razão da presença do resveratrol na casca das uvas tintas, um composto que pode combater inúmeras doenças. Mas muitos artigos na internet falam inverdades, então desconfie dos exageros.

Vinho é calórico?

Sentimos informar que sim! O responsável é justamente o álcool, além do açúcar residual (aquele que existe na fruta). Acredita-se que uma taça de 150 ml tem entre 100 e 300 calorias, em média, dependendo da quantidade de álcool da bebida.

Essa quantidade de um tinto com 12% de graduação alcoólica, por exemplo, terá mais ou menos 175 calorias – a conta é: 7 calorias por gramas de álcool; mais 4 calorias por grama de açúcar. Em resumo: um branco seco e com pouco álcool será bem menos calórico que um vinho do Porto que, além de alto teor alcoólico, possui grande quantidade de açúcar residual.

Vinho dá sono?

Sim e não. A lógica é: álcool é um depressor do sistema nervoso central, por isso que você tem a sensação de relaxamento quando consome um vinho o que, fatalmente, levará ao sono.

Porém, há outras teses que defendem que, quando o álcool é consumido em excesso, haverá prejuízo no sono. A pessoa passa por um aumento de tempo de sono profundo, porém haverá diversas interrupções durante a noite.

Nesse caso, também é necessário avaliar o peso corporal para saber a quantidade de álcool que é equilibrada ou excessiva para cada um.

Vinho tem glúten?

Diferente da cerveja e alguns destilados, vinho não tem glúten. O processo de fazer vinho (transformação do açúcar em álcool) não expõem a bebida em nenhum momento ao glúten, ou seja, também não há contaminação cruzada.

Vinho é vegano?

O vinho é produzido a partir de uma fruta, logo é um produto vegano (ou seja, sem contato com nenhum produto animal). Certo? Errado! Sim, a “fórmula” do vinho é açúcar + levedura = álcool + CO2.

Porém, existem algumas técnicas de vinificação que podem utilizar ingredientes de origem animal, como ovos e peixes, por exemplo, dos quais se extraem proteínas.

Essas substâncias são utilizadas para se “colarem” aos resíduos da bebida antes de o vinho ser engarrafado. Assim, ele fica brilhante e não tem seus aspectos aromáticos ou gustativos alterados. Dois exemplos de vinhos veganos disponíveis no Brasil são os espanhóis Numbered Edition e Cava Don Román.

Compartilhe este post!

Facebook
Twitter
Pinterest
WhatsApp

Confira mais em

Afinal, espumante também é vinho?

Mesmo entre entusiastas, existe uma confusão muito grande sobre a classificação dos espumantes, mas viemos para finalmente resolver esta questão. Confira!