Desvendando a Cachaça, a essência do Brasil

Se tem uma bebida que expressa brasilidade, com certeza é a cachaça. Quer ser mais sobre este patrimônio nacional? Confira!

Tem coisa mais brasileira que assistir um jogo da Copa com uma caipirinha na mão? É claro que não! Só de pensar, já bate aquela vontade de pegar o limão e a cachaça. Esse destilado feito à base de cana-de-açúcar é uma verdadeira marca nacional, tanto que a bebida só pode ser fabricada no Brasil. Aliás, estudiosos apontam que ela é tão antiga quanto o próprio país!

Historicamente, alguns acreditam que o surgimento da cachaça estaria relacionado ao acaso, em algum engenho de Pernambuco, onde teria fermentado naturalmente. Porém, é mais aceita a ideia de que seriam os portugueses os reais precursores da bebida, justamente por dominarem as técnicas da destilação e terem trazido a cana-de-açúcar para o Brasil. De qualquer forma, estima-se que primeira cachaça teria sido destilada entre 1516 e 1532, no litoral.

Cachaça x Rum: uma briga de gigantes

Você sabia que a cachaça surgiu antes do rum? Acontece que, com o início da produção de açúcar na América Central, os holandeses, expulsos do Brasil em meados do século XVII, foram para o México e lá criaram uma aguardente mais barata, um destilado que viria a ser chamado de rum.

Na fabricação, a maior diferença entre ambos é que, enquanto a cachaça é feita de caldo de cana-de-açúcar, o rum é feito de melaço.

Por isso, pode gritar bem alto: a cachaça veio antes!

Processo de produção

Já sabemos que cachaça de verdade só tem no Brasil e que ela veio antes do rum, mas como realmente é feita? Veja o passo a passo:

  1. A cana é colhida e levada à destilaria;
  2. Depois, é amassada e esmagada, o que aumenta a quantidade de sacarose;
  3. O líquido é decantado ou centrifugado, com o objetivo de manter a pureza;
  4. O produto vai para a fermentação, natural ou induzida, em dornas. As dornas são barricas cortadas ao meio ou imensas panelas que podem ser feitas de madeira, aço inoxidável ou cimento;
  5. Como nos outros destilados, a cabeça e o rabo, também chamados de primeiro e último corte, são retirados, sobrando apenas o que chamamos de “coração da cachaça”;
  6. Por fim, pode ou não estagiar em madeira ou inox antes de comercializada.

Cachaças Premium

As cachaças premium são produzidas artesanalmente e com um controle rigoroso, tanto que apenas parte pequena – a melhor parte – do coração é utilizada. A colheita é realizada a mão, seguindo a tradição dos velhos alambiques e só podem ser usadas as canas-de-açúcar próprias. Ficou com água na boca? A Grande Adega, como sempre, não vai te deixar na mão! Separamos uma seleção de cachaças premium para você experimentar!

Cachaça Saliníssima Prata

Com elaboração artesanal e produzida na região de Salinas, em Minas Gerais, a Saliníssima Prata é uma cachaça branquinha, ideal para caipirinhas e drinks.

Cachaça Saliníssima Ouro

Tradicionalíssima da região de Salinas, a Saliníssima tem processo de elaboração artesanal e é envelhecida em barris de Bálsamo, madeira brasileira, utilizada para o envelhecimento das melhores cachaças da região, que conferem características únicas à bebida.

Cachaça Espírito de Minas

Inspirada em origens mineiras, desde o nome até a essência, a Cachaça Espírito de Minas é produzida em uma fazenda colonial na pequena cidade de São Tiago. O processo de produção artesanal segue à risca a receita tradicional da cachaça mineira da mais alta qualidade, resgatando a tradição desde o plantio da cana, passando pela fermentação natural, até a destilação em alambique de cobre. Envelhecida em tonéis de jequitibá e carvalho, tem sabor levemente amadeirado.

Cachaça Santo Grau Coronel Xavier Chaves

Essa tradicional cachaça mineira traz os aromas da cana-de-açúcar e seu sabor começa vigoroso, torna-se quase doce e preenche a boca.

Cachaça Santo Grau Itirapuã Reserva

A Santo Grau Reserva Itirapuã é uma cachaça tradicional do interior paulista. Um blend de carvalho francês e “sherry oak casks” que envelheceram vinhos de Jerez, na Espanha.

Cachaça Santo Grau Solera Cinco Botas

Da linha Cachaças Raras de Engenho, a Santo Grau Solera Cinco Botas é uma cachaça de alambique envelhecida por meio do tradicional sistema único de Solera. Envelhecida nos barris (ou “botas”, em espanhol) que por anos armazenaram o tradicional vinho de Jerez Oloroso, da bicentenária empresa espanhola Osborne.

Cachaça Santo Grau Solera Pedro Ximenes

Também da linha Cachaças Raras de Engenho, a Santo Grau Solera Pedro Ximenes é uma cachaça de alambique envelhecida por meio do tradicional sistema único de Solera. Com o envelhecimento feito nos mesmos barris utilizados na produção do mais antigo vinho de Jerez, o Pedro Ximenes da bicentenária empresa espanhola Osborne, o resultado é de uma bebida naturalmente adoçada, ou seja, sem adição de açúcar, pela essência do vinho e características da uva.

Quer mergulhar ainda mais no universo das bebidas? Acesse o nosso blog!

Compartilhe este post!

Facebook
Twitter
Pinterest
WhatsApp

Confira mais em

Afinal, espumante também é vinho?

Mesmo entre entusiastas, existe uma confusão muito grande sobre a classificação dos espumantes, mas viemos para finalmente resolver esta questão. Confira!